domingo, 21 de fevereiro de 2010

Invictus


O filme é um must-see. Adorei saber mais sobre o grande líder Nelson Mandela, comover-me com a sua capacidade de perdão, arregalar-me com a sua imensa visão. Adorei testemunhar como os homens se conseguem aproximar, mal adquirem a capacidade de ver para além do que o seu sentido básico lhes mostra, para além do que lhes é incutido e defendem sem questionar. Emocionei-me terrivelmente com a mensagem de força que o filme transmite.
E achei o poema que dá nome ao filme uma fonte inesgotável de inspiração para a vida seja de quem for:

Invictus

Out of the night that covers me,
Black as the pit from pole to pole,
I thank whatever gods may be
For my unconquerable soul.

In the fell clutch of circumstance
I have not winced nor cried aloud.
Under the bludgeonings of chance
My head is bloody, but unbowed.

Beyond this place of wrath and tears
Looms but the Horror of the shade,
And yet the menace of the years
Finds and shall find me unafraid.

It matters not how strait the gate,
How charged with punishments the scroll,
I am the master of my fate:
I am the captain of my soul.


Já agora, mais um Clint Eastwood que passa directamente à minha lista de favoritos. O Morgan Freeman está tremendo e o Matt Damon muito bem (exceptuando a pronúncia um pouco menos que perfeita).

1 comentário:

VannD disse...

Devo confessar que passei uma boa parte do filme comovido. A mensagem transmitida é francamente emotiva. O poder do perdão está ao alcance de todos mas apenas uma minoria o agarra.
E ainda o Haka e músicas Sul Africanas são dois pontos que muito me agradam neste filme.
Vejam. Altamente recomendável.

M.