terça-feira, 18 de maio de 2010

Não...


... desculpas não peço, mas passei muito tempo (e ainda passo) a justificar-me perante os outros e perante mim própria. Essa relação nunca poderia ter redundado em nada decente, em nada que qualquer um dos dois merecesse. E, no entanto, durou tanto. A culpa - ou a responsabilidade, atribuo-a à cegueira transitória que acho que acomete tanta gente que anda à procura de um bem maior. Àquela inércia e insensibilidade que entorpece a nossa mente, que passa a debitar em loop que ali é que estamos bem, que o que é desconfortável é sair dali.
Mas o dia chega sempre, esse dia em que o pensamento engatilhado se solta, e nós percebemos que estamos a sobreviver, a sufocar, a definhar num amor que não é. Já não é, se algum dia o foi. E aí só nos resta partir ou ignorar mais esse chamado. Eu parti. E parti-o. Sei que o parti, mas também sei que foi pelo melhor dos motivos. Lá estou eu a justificar-me, é mais forte do que eu.
Depois disto, chega o lamento de se ter dado tanto para trazer tão pouco (nada). Enquanto o equilíbrio não retorna, vem o lamento de tamanha ingratidão por tudo o que de nós foi dado e nunca mais será devolvido nem substituído.
Hoje, apesar de tudo, de (ainda) magoar essa ingratidão e toda a incompreensão, sei porém que, não fosse tudo o que tenho para trás, hoje com quase toda a certeza não estaria aqui. Não teria a pessoa que tenho ao meu lado, a vida ter-nos-ia levado provavelmente por caminhos diferentes, para longe um do outro.
E por isso é que creio (quero crer) neste determinismo, que valida o meu presente. Porque de outro modo sentir-me-ia esvaziada de tanta coisa que dei de coração - porque acredito profundamente que o amor, ou o que pensamos ser o amor, só se alimenta da dádiva mútua - a quem tão pouco me soube dar de volta. Esvaziada e sem qualquer contrapartida.

3 comentários:

Rita G. disse...

às vezes é difícil sair de uma situação que apesar de não nos satisfazer tb nos dá segurança...mas isso acaba por sufocar e para se respirar novamente é preciso mudar...bj:)

Kika disse...

Não percebi bem qual é a situação, mas espero que corra bem. Também acredito que tudo acontece por uma razão, mesmo que numa primeira análise não a consigamos identificar.

Beijinho

Olhos Dourados disse...

Pois, mais vele não continuar no sofrimento.