domingo, 18 de julho de 2010

O Festival Marés Vivas


Foi engraçado. Divertimo-nos imenso. Comemos umas deliciosas bifanas no pão. O concerto de N. Grandjean não ouvimos todo, chegámos quando ele estava a tocar "Heroes and Saints", mas fomos jantar nessa altura.

Os dEUS deram um concerto espectacular. Focaram-se tanto nos álbuns mais antigos como no último - ainda bem para mim, que sensivelmente desde 1997 não ouvia dEUS e só conhecia os dois primeiros álbuns. Gostei muito do clima do concerto, da descontracção em palco, da selecção de músicas.

Os Editors... uma desilusão. O concerto estava a ser bastante bom, estavam a tocar algumas músicas desconhecidas mas também uma ou duas das mais famosas. Precisamente aquando da "Smokers Outside The Hospital Doors", meia dúzia de canções após o início do concerto, interromperam a actuação com sinais de impaciência, retomaram, e logo após a primeira frase, o Tom Smith atira com a sua guitarra novinha e brilhante ao chão e os Editors abandonam o palco, sem uma palavra aos presentes! Fiquei mortificada. Acho deplorável que um artista aja assim, independentemente de ter ou não razão, de ter ou não as condições óptimas para actuar, o público merece-lhes o maior respeito, a maior consideração!... Enfim. Lá voltaram ao fim de um quarto de hora, dando uma qualquer desculpa semi-ininteligível acerca de "choques eléctricos". Tocaram mais duas músicas e foram-se de vez. Inqualificável.

Quanto ao Ben Harper, foi óptimo como sempre. Não o consegui ver/ouvir até ao fim, porque estava já muito cansada e era tarde... Mas o que vi e ouvi adorei, como já sabia que ia acontecer!

Acima de tudo, foi uma noite muito divertida e agradável, cheia de risos e palhaçada, e é isto que vou reter.

7 comentários:

VannD disse...

Realmente aquela cena do Tom Smith foi surreal. Pode ser impressão minha mas o jovem não me parecia estar muito sóbrio. Acredito que se passava algo de errado com o microfone dele mas nada justifica a reacção intempestiva. O profissionalismo deveria obrigar a mais e melhor. E o público merecia o mínimo de respeito.
Mas, para mim, a actuação da noite pertenceu aos dEUS. São uma banda "do meu tempo" e nunca lhes tinha prestado a devida atenção. Shame on me.

Rita G. disse...

Foi divertido e isso é que interessa:) bj!

g2b2 disse...

Não percebo a critica nem o que foi "semi-inteligível".

Eu estava cá atrás e vi perfeitamente o Tom a queixar-se dos choques e o roadie de palco a abrir os braços a indicar que não "podia" fazer nada.

A saída de palco foi de frustração e ao entrarem pediram desculpa da mesma forma que pediram desculpa quando voltaram a sair. Foram extremamente educados para com o público, e parece-me mais que vocês é que estavam bêbados, uma vez que não perceberam nada do que se passou.

E a propósito, a corrente de palco é trifásica, ou seja, o quadro não dispara como os domésticos.

No palco, um choque a sério pode matar!

Gostaria de ver como reagiriam vocês se no vosso trabalho diário vos estivessem a dar choques constantes. Muito agradável.

Aliás, toda a organização daquele festival foi deplorável. E o publico igualmente pindérico.

Queen of Hearts disse...

G2b2:

Eu é que não percebo a sua indignação perante o meu comentário, que obviamente se baseia nas minhas impressões daquilo que eu vi e ouvi.

Quanto às suas dúvidas, tenho todo o gosto em lhe explicar o que quero dizer. "Semi-ininteligível" foi o que me pareceu a resposta do vocalista. Eu, de onde estava (à frente, na lateral do palco, onde admito que não teria visibilidade frontal), não me apercebi nem da sinalética nem do Tom se queixar especificamente de choques aos roadies, como o/a g2b2 tão bem diz ter visto lá de trás. Quando eles voltaram ao palco, ele resmoneou, sim, uma única frase, da qual eu percebi "sorry" e "electric shocks". Eu e toda a gente que lá estava comigo, à minha volta e arredores. E com isso é que quero dizer que foi semi-ininteligível, porque não foi ininteligível de todo, apenas em parte. Quanto à sua insinuação muito matura de que nós é que estaríamos bêbedos, adorei. É porque me conhece extremamente bem.

A saída deles de palco foi de frustração? Admito. Mas continuo a detestar que artistas regiamente pagos, que têm ali uma legião de pessoas à espera de os ver e ouvir, ajam assim, com esse tipo de atitude de diva. Não custava nada dirigir-se a outro microfone antes de sair calmamente e dizer "Há um problemazinho técnico que vamos tentar resolver e voltamos já, pedimos desculpa!". A cena de atirar a guitarra ao chão e sair daquela maneira é completamente de diva. E as desculpas SUMÁRIAS que ofereceram ao voltar ao palco e ao sairem após duas músicas não são sinal da melhor das educações como diz, eram o mínimo dos mínimos que se deve a quem pagou um BALÚRDIO para estar ali a vê-los - quem, como eu, escolheu aquele dia para ir ao festival e gastou 25 euros.

Toda a questão inerente aos choques, ao seu desconforto e consequências, não tem sequer discussão. Eu também não coloquei isso em causa. Mas continuo a achar toda a atitude inqualificável. Se me arrependo de ter gasto o meu voucher para ir lá? Em parte, porque acho que o serviço prestado ficou muito aquém do desejado. O concerto, em si, foi bom - até aos choques. A partir daí, lamento ofendê-lo/a tanto, mas foi insatisfatório.

O público era pindérico? O/a g2b2 lá saberá do que fala.

Miss Star Pink disse...

O mais importante é que te tenhas divertido. :) Gostava muito de ter ido ver o Ben, mas não dá para tudo.
Pronto e confesso que também não me ia misturar com gente pindérica. eheheheheh
Isto há cada um/uma!

Beijoca

Olhos Dourados disse...

Que bem!

Olhos Dourados disse...

Que bem!