domingo, 28 de fevereiro de 2010

Depois deste fim de semana...


Isto ^^ parece-me a missão impossível.

Digam-me, como é possível ser-se tão determinada para algumas coisas e ter-se tão pouca força de vontade para outras?!

sábado, 27 de fevereiro de 2010

Ensaboadela


Ontem, no cabeleireiro, fui brindada com não uma, não duas, mas sim TRÊS passagens de champô. Como se a cabeleireira quisesse acabar com a última nano-molécula de sebo existente no meu couro cabeludo. Como se o meu pescoço aguentasse aquela posição anti-natura por tempo indefinido.
E, no final de contas, seria de esperar que com tanto zelo o meu cabelo aguentasse para aí uma semana sem lavar, não era? Wrong. Hoje já começou a decadência.

...e outro ainda!


Este selinho veio da Elo, a quem muito agradeço!

Desafio:

1- Dizer uma coisa que gosta em si.
Numa análise mais superficial, das minhas mãos. Sob outro prisma, do facto de ter alguma cultura geral.

2 - Dizer uma coisa que gosta no blogue de onde recebeu o selo.
Acho a Elo uma pessoa cheia de bom gosto, de saber-estar, bastante interessante e o blogue reflecte tudo isso. :)

3- Desafiar mais-coisa-menos-coisa-cinco blogues, oferendo-lhes este presentinho.
a. Deambulações de Miss Star Pink

b.
Hoje vou casar assim

c. Glamour in Stilettos
d. La Scarpa
e. kikisses
f. Veeny's Blog

Também fiquei com seis, ehehehe.

4 - Dizer uma coisa que gosta nos blogues que desafiou.
a. Gosto imenso da alegria, leveza e graça que a Miss Star imprime em tudo o que escreve, e de assim estar mais "pertinho" da vida dela.
b. Gosto muito de ver as escolhas e sugestões da HVCA (sempre com bom gosto), da forma completa como lá se analisa o casamento, enquanto instituição, cerimónia e festa, e da forma sempre ponderada e inteligente como essas análises são feitas.
c. Gosto muito da escrita da Su, da sua maneira de ser e de ir acompanhando as suas aventuras por esta vida fora!
d. Adoro sapatos! Identifico-me muito com os gostos da Vee nesse campo, e gosto bastante de a ler.
e. Gosto muito da forma pragmática e aberta como a Kika desvenda as suas histórias e reflexões.
f. Adoro acompanhar a minha querida Veeny ao longo do seu estado de graça, e de ver as escolhas de moda e de noivas que faz, com tanto bom gosto, imaginação e savoir-faire!

5 - Tornar visível no seu blogue este selo e respectivo desafio.

Um selinho mais...


Regras:

1. Exibir a imagem do Selo “Este Blog é um Sonho!” e publicar as regras

2. Postar o Link de quem te indicou. - http://c-ascoisas.blogspot.com/

3. Indicar 10 Blogs para ganhar o selo:

4. Avisar os seus indicados.

5. Responder se usa produtos Natura e citar os preferidos.

Vou fazer uma batotinha (porque realmente não conheço os produtos Natura), mandar um grande beijinho para a C que foi uma querida e deixar aqui o selinho para todas as pessoas que me visitarem e o quiserem passar adiante!

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

Got milk?



Apesar de adorar esta campanha, está decidido: vou reduzir substancialmente os lacticínios que ingiro. Claro que conheço os benefícios e propriedades do leite e derivados. Que receio a falta de cálcio e a osteoporose. E não é que eu não goste - embora não adore. Sou uma amante de queijo e gosto de alguns iogurtes (poucos) e de leite com Special K daquele que tem raspas de chocolate negro. E that's it.

Tenho é notado, desde há algum tempo a esta parte, que quando ando a ingerir lacticínios (especialmente o leite e os iogurtes) em maiores quantidades, a minha digestão piora e fico bastante mais inchada. Não me sinto bem com a ingestão destes alimentos, e sou defensora de que quando o organismo pede, devemos dar-lhe; quando o organismo rejeita, devemos respeitá-lo e fazer-lhe a vontade. (Por outro lado, nunca percebi bem porque é que somos os únicos mamíferos que continuam a beber leite depois do desmame...)

Enfim, já está decidido e tudo pensado: compensar com a ingestão de (outros) alimentos tão ou mais ricos em cálcio, como os brócolos (que adoro) ou o chá três anos. Continuar a praticar bastante exercício físico. E continuar a comer o meu queijinho e, muito de vez em quando, comprar a minha caixinha de cereais para matar o vício...

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

Já fui tão feliz em... #5















...Paris. Sozinha, em Janeiro de 2006 (sorry, no photos); com a minha mana, em Maio de 2006 (primeiras 4 fotos). E com o M., em Outubro de 2008 (restantes).

E sim, o meu sítio preferido é mesmo a Pont Neuf.

Ah! E a terceira foto é mesmo para que se veja o quão minúsculo eu usava o cabelo em 2006...

Do melhor que tenho visto.


O final, então, é absolutamente apoteótico. Vejam, vejam!

terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

If love is blind, why is lingerie so popular?


Eu gosto de lingerie. Muito. É inegável que uma mulher com/em lingerie adquire um glamour, uma sensualidade, um appeal...

Mas também não consigo negar que o conforto do algodão, dos soutiens nude e das seamless panties me apelam muito mais, no dia-a-dia, do que as transparências das rendas e o toque dos tecidos sintéticos.

Para mim, não há como o equilíbrio. As cuecas da avozinha não são opção. Há muita coisa gira e confortável na Oysho, na Woman's Secret, na Etam, na Victoria's Secret, e é a estes sítios que eu vou buscar o que uso no meu quotidiano. Mas, volta e meia, nada como um belo conjunto bem sexy para (nos) recordar de como o corpo feminino é mesmo um reduto de mistérios e sedução. Não concordam?

O verdadeiro frete.


Alguém viu a Kristen Stewart na red carpet dos BAFTA (ou Orange British Awards ou lá o que era no domingo passado)? Ui que cara de frete que a menina fazia. Acredito que estes eventos e as passadeiras vermelhas, os milhares de fotografias e entrevistas e o frio que se passa sejam de facto muito chatos. Mas nem disfarçar um bocadinho, para os(as) fãs histéricos(as) e dedicadíssimos(as) que lá estavam à chuva?... Não gosto.

Mais uma vez, serei só eu...


... que não suporta a vozinha irritante e as piadas (em grande parte, boçais) do Bruno Aleixo não sei quantas vezes por dia na Antena3? Ainda se quisessem repetir o PortugaLex 4 ou 5 vezes ao dia!...

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010

Uma comunidade de amor.


Já terei aqui falado sobre a verdadeira admiração que nutro por esta comunidade ecuménica, composta acima de tudo de amor, fraternidade e gratidão a Deus, que dá pelo nome de comunidade de Taizé? Penso que não.

Antes de mais, passo a explicar, para quem não estiver familiarizado. Taizé é uma comunidade ecuménica cristã, ou seja, uma comunidade que visa o diálogo, a aproximação e a cooperação das correntes e pensamentos cristãos, quer a raiz deles seja católica ou protestante, com vista à unificação do cristianismo e em detrimento das barreiras históricas, culturais e dogmáticas. Assim, a Comunidade aceita toda a gente no seu seio, porque acima de tudo busca a reconciliação dos homens. Durante todo o ano, milhares de jovens dirigem-se à localidade de Taizé, em França, para durante uma semana participarem activamente da vida na comunidade.

O modus vivendi desta Comunidade faz-se, essencialmente, através da oração, reflexão e meditação sobre temas do Cristianismo e da actualidade. Em Taizé não há missas; sendo uma comunidade ecuménica, não faria sentido impor um culto ou uma cerimónia de uma facção às outras. Em vez disso, a celebração da fé em Taizé faz-se através das Orações da Manhã, da Tarde e da Noite. Estas orações são compostas por uma vertente musical, que se traduz em cânticos próprios, escritos em todas as línguas europeias, belíssimos, contemplativos, normalmente consistentes numa única frase ou pequeno texto que é repetido como um mantra, em busca da tal componente meditativa; e pela leitura de textos ou frases icónicos, que potenciem a reflexão e a auto-descoberta, como pessoa e como Cristão. Também estas leituras são feitas em várias línguas, pois Taizé pretende aproximar e não dividir os homens, independentemente da sua expressão.

Em Taizé Deus não pune, não oprime, não obriga, não culpa. Deus é alegria, amor e fonte de vida. A Ele devemos estar gratos por tudo o que temos; com Ele, devemos amar o próximo e propugnar o amor cristão por toda a parte por onde passemos. Por tudo isto, e porque me sinto Cristã antes de Católica ou whatever, porque a vertente espiritual e livre do culto me cativa, e porque de vez em quando preciso de lavar a alma nesta fonte, amo Taizé. E quero lá ir bastante em breve.

A comunidade esteve em Portugal, mais concretamente no Porto, no fim de semana do Carnaval, com o Encontro Ibérico de Jovens. Milhares de jovens reuniram-se aos Irmãos da Comunidade para reflectir e viver o tema "As Fontes da Alegria".

O meu primeiro selo.



Gentilmente passado para mim pela minha querida Josefina, aqui está o meu primeiro selo e o correspondente questionário ao qual faço todo o gosto em responder:

1. Qual a sua marca de maquilhagem nacional preferida?
Ora bem, nacional assim que me lembre não conheço nenhuma! :(

2. Qual a sua marca de maquilhagem internacional preferida?
Dentro das que habitualmente uso, gosto da Lancôme, da Nivea, da Guerlain. Ando mortinha por experimentar uns produtos da MAC e da Benefit.

3. Qual o seu perfume predileto?
Escolher um preferido é muito difícil. Gosto muito do Armani Mania para o Inverno, mas neste momento o que uso e gosto mais é o L'Impératrice, da Dolce & Gabbana.

4. Esmate nude ou colorido?
Depende do momento. Dos nude/cores neutras costumo usar o Renda da Risqué. Mas sempre gostei de unhas com cor. Neste momento tenho um roxo semi-nacarado (o Affair da Risqué), um vermelho (Desejo, da Risqué) e dois rosa (um mais escuro e discreto, o 17 da Andreia e um mais choque, da Claire's).

5. A melhor compra de cosméticos/maquilhagem?
Um lápis de olhos khol da Guerlain, nunca tive tão bons resultados com um lápis.

6. Pior compra de cosméticos/maquilhagem?
Uma máscara de pestanas que odiei, da L'Oréal.

E agora é a minha vez de passar o selo:
Miss Star Pink
Veeny
L de Leão
Hoje vou casar assim

As mulheres casadas exercem um fascínio especial.


Ouvi esta frase (or something like that) na passada sexta-feira, nas "Conversas de Raparigas". O tema era as diferenças etárias, mas a conversa lá resvalou para outros domínios adjacentes, e desembocou nesta conclusão que agora me serve de título.
Que as mulheres casadas exercem sobre os homens em geral, e sobre os ainda meio imberbes ou vá, mais novitos em particular, um género de atracção indomável e inquestionável. Será?!...
Generalizando um pouco, eu sei que os homens têm neles aquele instinto um pouco irracional da competitividade, e que adoram sentir que conseguem deitar as manápulas no que é de outro, só porque são maiores, melhores, mais fortes. Mas desta generalização (com todas as suas imperfeições) a fazer-se uma outra como a que me serve de tema... acho demasiado.
Nunca me aconteceu, nos solenes 9 meses em que fui, e sou, mulher casada, ser cortejada ou cobiçada por ser casada. E desafio a que relatem experiências diferentes, caso as haja.

Na verdade, quem eu acho que exerce um fascínio especial, uma atracção indomável ou inquestionável, são aquelas pessoas cujo carisma, estilo, segurança, presença e sensualidade as tornam motivo de cobiça e objecto de desejo - sejam elas homens, mulheres, casados, solteiras, bad boys ou good girls. Sem lugar a generalizações maiores que esta.

Inglesices


Quem lê o que escrevo, provavelmente já reparou na quantidade de vezes que uso anglicanismos, ou mesmo expressões directamente retiradas da língua inglesa. Pode parecer mania/exibicionismo, mas garanto que não é. Quer se acredite, quer não, eu penso quase sempre em português e em inglês, às vezes as duas vêm simultaneamente, outras o inglês simplesmente adequa-se melhor. É esquisito, eu sei, muita gente não acha graça nenhuma, mas eu e a minha amiga B. fazemos isso all the time.
Olha, escapou-se-me outra vez. Catano.

domingo, 21 de fevereiro de 2010

Invictus


O filme é um must-see. Adorei saber mais sobre o grande líder Nelson Mandela, comover-me com a sua capacidade de perdão, arregalar-me com a sua imensa visão. Adorei testemunhar como os homens se conseguem aproximar, mal adquirem a capacidade de ver para além do que o seu sentido básico lhes mostra, para além do que lhes é incutido e defendem sem questionar. Emocionei-me terrivelmente com a mensagem de força que o filme transmite.
E achei o poema que dá nome ao filme uma fonte inesgotável de inspiração para a vida seja de quem for:

Invictus

Out of the night that covers me,
Black as the pit from pole to pole,
I thank whatever gods may be
For my unconquerable soul.

In the fell clutch of circumstance
I have not winced nor cried aloud.
Under the bludgeonings of chance
My head is bloody, but unbowed.

Beyond this place of wrath and tears
Looms but the Horror of the shade,
And yet the menace of the years
Finds and shall find me unafraid.

It matters not how strait the gate,
How charged with punishments the scroll,
I am the master of my fate:
I am the captain of my soul.


Já agora, mais um Clint Eastwood que passa directamente à minha lista de favoritos. O Morgan Freeman está tremendo e o Matt Damon muito bem (exceptuando a pronúncia um pouco menos que perfeita).

Estou absolutamente em choque


... com as notícias e imagens chegadas entre ontem e hoje da Madeira. É terrivelmente avassalador e muito preocupante. Nem tenho mais palavras, a não ser que os meus pensamentos e orações estão com as pessoas e famílias afectadas. E, se houver hipótese de ajudar de qualquer outra forma, cá estaremos.

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

Eu adoro...


... estes quote cards que descobri pela primeira vez em Nova Iorque (e agora fui dar com eles na net). As mensagens que contêm são bastante inspiradoras - algumas mais delico-doces, outras menos.

Aprecio particularmente as de Thoreau e Emerson. Para quem viu O Clube dos Poetas Mortos, estes nomes não são estranhos certamente. Eu tive a sorte de, num dos meus percursos académicos, ter de ler vários ensaios de ambos os autores. Na altura, senti-me bastante movida por ambos. E é estranho como agora, ao fim de tantos anos em que estiveram na penumbra, as linhas que tanto sublinhei voltam - de uma forma completamente imprevisível e em pensamentos desgarrados - a fazer-me todo o sentido.

Já fui tão feliz em... #4












... Bali. Junho de 2009.

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2010

Change of look.


Well, não é bem uma mudança de visual, porque era assim que eu andava a usar o meu cabelo até há algum tempo. Cortei a franja em Outubro passado assim, recta. Depois ela cresceu, cresceu... E eu desleixei-me e deixei andar... Até ao ponto em que já não a aguentava mais! Já estava tão cansada que pensei em deixar crescer de uma vez. Até o M. já estava farto. Mas hoje lá fui à minha cabeleireira de confiança pedir conselhos. Ela é tão ajuizada, e ao mesmo tempo tão à frente! E depois de uma longa conversa, lá saí eu assim. Não há dúvidas, eu sou mesmo uma rapariga de franja.

Só um recado.

terça-feira, 16 de fevereiro de 2010

Valentine's Day - the movie


Gostei muito! Para quem fica com um sorriso nos lábios com uma boa comédia romântica, é um filme ideal. Não é física quântica; consegue adivinhar-se bem o destino das personagens, os desfechos das micro-histórias. Mas é tão agradável, tão cor-de-rosa!

Um destaque especial para a personagem da Jennifer Garner. Uma querida. E adorei a parte do bat swing e como ela afinfou cheia de vontade naquela piñata...

Alguma coisa se passa...


... porque ultimamente sinto-me tão, mas tão cansada. Completamente desprovida de energia, sempre a cair de sono, adormecendo em qualquer lado, sem vontade de fazer nada. É estranho, pronto.

sábado, 13 de fevereiro de 2010

Só eu...


... e o M. é que ficámos chocados com a forma fria e inexplicável como a Natalie foi cortada da season 5 do So You Think You Can Dance? Depois de a coreógrafa Sonya a ter posto, junto com o Brandon, a MOSTRAR aos outros como se fazia a coreografia jazz?... Eliminada assim, sem outra oportunidade. Concordo que o que ela fez em frente aos juizes não foi igual aos ensaios, mas a outras pessoas eles deram IMENSAS oportunidades (tipo aquela Gabi, que eu achava bem inferior à Natalie, ou o Tony Belissimo, que eu NEM SEI como é que está entre os melhores, quando é desengonçado como tudo). Estou tão triste, coitada da rapariga.

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2010

Suspiro...




Porque, apesar de só faltarem três míseras semanas, olho para a minha mesa de trabalho e parece-me faltar uma eternidade para estar aqui.

Pelo menos logo já é fim de semana... Enjoy everyone!

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

... e o Carnaval.


E não é que este ano os puseram todos ao mesmo tempo? Brilhante!

Com o Carnaval, lamento mas não simpatizo mesmo nadinha. Sinceramente, se fizesse análise, ia de certeza descobrir que isto é um trauma de infância, radicado na minha frustração em nunca ter tido uma fantasia decente durante TODA a minha infância, ou numa certa festa de Carnaval da minha adolescência, a que eu queria ardentemente ir, e o meu pai não me deixou ir, porque não.

De todo o modo, hoje em dia não acho mesmo piadinha nenhuma ao Carnaval. Já me fantasiei em adulta (porque não queria ser a ranhosa do grupo, e tinha de entrar no espírito), já saí e já me diverti até bastante no Carnaval, mas enfim. Se me derem a escolher, mil vezes ficar em casa - já não me apetece andar no meio da confusão e do barulho arrepiante das gaitas e línguas-de-sogra e estalinhos. Ou então saio, mas não pelo Carnaval: saio pelos amigos com quem quero estar.

Felizmente, este ano vai ser sossegadinho.

Valentine's Day...


Tanto se fala por aí destas datas, que estão aí mesmo à portinha, que eu não podia deixar de dar a minha achega.

Pois, ao que parece eu pertenço aos milhares de pessoas que não vão com a cara do S. Valentim. Número este que é um pouco estranho, tendo em consideração a afluência em massa aos restaurantes, etc., mas ok.

No meu caso, decidi que em vez de dedicar qualquer tipo de aversão ao dia, ia optar por passar bem ao ladinho dele. É que não gosto que me obriguem a celebrar nada (aparte talvez o Natal, que eu adoro. De resto, nem sequer comemoro o meu aniversário. Não vou fazer uma festa só porque as pessoas acham a toda a força que se DEVE comemorar o aniversário).

Posto isto, o próximo dia 14 é um domingo como qualquer outro. Com uma restrição: é um dia em que eu sei que NÃO POSSO ir jantar fora com o meu cara-metade. Tirando isso, igualinho. Dia dos Namorados... são todos os dias. Ou deviam ser.