terça-feira, 11 de janeiro de 2011

Se eu fosse um desenho animado...

... hoje tinha um fuminho preto a sair-me do topo da cabeça.

Custa-me, mas por vezes tenho mesmo de concordar com os meus clientes que a justiça neste país é um conceito indeterminado. Enquanto houver meios que permitam que colegas meus "façam e aconteçam", sempre dentro dos limites da lei, para atrasar o andamento de um processo, em benefício do lado deles e em prejuízo clamoroso da parte contrária; enquanto houver senhores magistrados que compactuem com estas actuações porque não lhes apetece muito fazer julgamento, e preferem forçar um acordo (quase inadmissível), fazendo de nós os "maus da fita" por preferirmos defender a razão, que a temos, até ao fim - quando a verdade é que aceder em determinados acordos equivale a um prejuízo tremendo e faz com que o ónus da cedência seja praticamente todo de uma parte e nenhum da outra...

Dá realmente vontade de espernear e puxar os cabelinhos. As regras deste jogo são muito voláteis e é mesmo muito fácil que ele seja viciado. E isso é de bradar aos céus, quando aquilo que se discute é J-U-S-T-I-Ç-A.

2 comentários:

Rita G. disse...

A juatiça parece ser cada vez mais uma palavra/conceito de difícil interpretação...é pena que as pessoas já não consigam confiar nos organismos que a deviam aplicar. bj!

Nokas disse...

Infelizmente é a justiça que temos...E eu ainda sou daquelas pessoas que acha que devemos acreditar nela, mas a que custo?