sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

Só para esclarecer

E para me armar em "special one", quando ali abaixo falava em ter casado amigos, queria literalmente dizer que os casei. Realmente acho que a forma como o escrevi suscita a interpretação de que os juntei no amor e eles se acabaram por casar. Mas a história não reza assim (por mais agradável que isso tivesse sido, claro).

Na verdade, quando conheci estes amigos, já eles eram um apaixonado casal. Já viviam juntos, inclusive.
Um dia, foram de férias para os EUA. Como eu sabia que a viagem incluía uma passagem por Las Vegas, em nada me surpreendeu (já bem os conheço) que regressassem com uma aliança simbólica no dedo. Exactamente. Casaram em Las Vegas, numa Little Chapel qualquer perdida lá na cidade do deserto, na companhia dos amigos e parceiros de viagem, num impulso calculado. Um casamento mais invulgar que a maioria e que, certamente, lhes dará sempre o maior gozo relembrar e partilhar com os filhotes, os netinhos...

Sucede contudo que em Portugal os meus amigos não eram casados. O casamento celebrado nos Estados Unidos de nada vale se não for transcrito para a nossa ordem jurídica. Então é aí que eu entro: tratei-lhes da papelada toda, traduções e the works, e até fui eu quem assinou e tudo. Ou seja, como eu gosto de me gabar, casei-os. É por minhas mãos que estes amigos hoje são, entre nós, marido e mulher, e eu nem padre sou. Adoro relembrá-los disso a cada passo. E já os avisei que - caso lhes passe no espírito essa ideia peregrina, o que felizmente duvido - não os divorcio. Maneira de falar.

2 comentários:

siceramente disse...

ahaha! um casamento assim deve ser das coisas mais fixes do mundo :D

Rita G. disse...

és uma casamenteira:) bj!