terça-feira, 9 de agosto de 2011

Eu até nem tenho nada contra...

... a senhora, nem contra a música, nem contra a poesia em geral, pelo contrário. Até engraço. Mas gostava de saber que coisa ela estaria a fumar pensar quando escreveu "eu não volto a jogar à cabra cega com usted".

4 comentários:

Julie D´aiglemont disse...

Pensei que o problema era meu em não conseguir comentar o teu blog. Só com o Internet Explorer é que dá. Que seca, pá! Quero o livro de reclamações, por favor!

Queen of Hearts disse...

Estou cá com uma frustração pá! Já pensei em devolver o produto e tudo, mas tenho uma amiga a tentar ajudar-me. A ver vamos se a coisa se resolve!

Carla Maia disse...

Bem, acho a música fantástica e o jogo de palavras também... Esta frase é menos bem conseguida, porque acho que a parte do jogo da cabra cega foi intencional... Isto é um jogo que implica confiares no outro, juntamente com um esconde/esconde... Mas o usted é que é meio colocado a martelo. Acho que foi para ter musicalidade e para criar distanciamento/ meio engraçado da personagem a quem está dirigido o dito "poema"! É tipo "eu não colto a jogar à cabra cega com o Mister", mas na 2ª pessoa do singular e em espanhol!

Queen of Hearts disse...

É exactamente com o usted que eu implico. De resto nada, gosto da música, gosto da artista, e gosto do poema. Até acho muito bem conseguidos, mesmo que o poema seja intrincado. A parte do usted para mim é que... estraga tudo. Porque apesar de não estar a ver o que ela poderia ter usado como alternativa (é uma verdade), acho que não faz qualquer sentido no contexto usar uma palavra espanhola. Mas pronto, liberdades criativas!