domingo, 26 de fevereiro de 2012

E o meu amor...

... maior que tudo, embora um dos mais pequeninos em tamanho real, fez hoje quatro mesinhos. É o orgulho incontido de sua mãe, todos os dias um pouco mais ligada a ele, um pouco mais apaixonada por ele. Este amor incomensurável é assim que é vivido por cá, não despontou brutalmente e todo de uma vez num único momento, já de si pleno de emoções, dores, medos e alívio. Vai aumentando os decibéis de dia para dia, já gritando no meu ouvido e tornando-se impossível de abafar por quaisquer outras sensações.

I haven't been saying it enough


But you, you I love. And I expect us to become two old bags someday. Together.

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2012

Ca boas

Se não me ponho fina, temos novo vício.

O filme do fim de semana (e não só)


Viva o Sr. Spielberg, que nos continua a brindar com estas magníficas pérolas. Foi o filme a que assistimos este fim de semana, mas (e ressalvo apenas que não tenho visto muitos mais) poderia facilmente ser o filme do ano. Do mês, vá. Do mês é de certeza. De chorar baba e ranho.
E deu-nos vontade de ir a correr assistir à peça. Seja no West End, seja na Broadway. Acho mais provável que seja no West End, mas quem sabe? M., apontamos isso para Junho de 2013? :)

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

Eu explico

Simplesmente aconteceu. Comi morangos no Verão/Outono de 2010, depois no Inverno eles já não são tão bons e eu parei de comprar (nem sei se ainda os havia à venda), depois engravidei e, apesar de ter sido sempre liberal no que comia, a não imunidade à toxoplasmose falou mais alto e optei por não comer durante a gravidez.
Entretanto, nunca mais me lembrei deles até hoje os ter visto no hiper, tão grandes e gordos, maravilhosamente rubicundos. E não é que o sabor condizia com o aspecto? Deliciosos.

E passado mais de um ano...

... eis que ela volta a comer morangos.

Estou num deleite, num êxtase, a saboreá-los como se da maior iguaria do planeta se tratasse.

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

Está visto e mais que provado...

... que sou uma executiva e não uma criativa. Tão fácil quanto isto: muitas vezes escrevo melhor nas caixas de comentários alheias que no meu próprio blog.

The ugly beast

Se há coisa que decididamente não é compatível com a minha natureza, me desilude e me oprime, essa coisa é a mentira, seja em qual das suas feias formas for. Falta de verdade, omissão, dissimulação, encobrimento, you name it. É muito difícil voltar atrás num acto destes. É quase irremediável o retorno da confiança que se perde. É quase impossível nunca mais se ter reservas.

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

Melhor bolo de chocolate do mundo, my a**

Para a minha humilde pessoa não o é. Ninguém me avisou que o dito cujo é feito de algo muito semelhante a... suspiros. Me no like suspiros. Também ninguém me avisou que as fatias são vendidas num tamanho inversamente proporcional ao preço. Minúsculas vs. exorbitante. Entenda-se que os dois factores são heteroexplicativos: minúsculas porque exorbitante, exorbitante porque minúsculas.

sábado, 11 de fevereiro de 2012

O novo habitante cá do burgo

É o melhor bolo de chocolate do mundo. Eu, como pessoa hospitaleira e curiosa que sou, tenho de lá ir dizer-lhe olá e dar-lhe uma trinca. O que não vai é ajudar-me nada a perder este Michelin que ganhei aqui à volta do meu abdominal transverso.

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

Medooo.

(clicar na imagem para ver melhor)

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2012

Não fiquei grande fã

Não fiquei grande fã desta versão americana do primeiro filme da trilogia Millennium. Apesar de adorar tudo o que o David Fincher fez até ao momento, este desiludiu-me um bocado. Talvez por ter lido os livros... quando isso acontece, normalmente fico presa ao meu imaginário e ao enredo do livro (principalmente se tiver gostado). Nota alta para a banda sonora though.

Bem mais fiel, o filme escandinavo que antecedeu. Desse até gostei bastante, apesar (ou talvez por causa) da ausência da espectacularidade que o cinema de Hollywood sempre imprime aos seus trabalhos.

E definitivamente, apesar da febre Rooney Mara, gostei MUITO mais desta Lisbeth Salander da Noomi Rapace. Mais understated, mais crua, ainda menos emocional.

The Hardest Job in the World

Adorei a ideia expressa neste texto da Ana Maldivas. Realmente, temos de nos convencer que, independentemente do reconhecimento alheio, somos todas as melhores mães do mundo para os nossos bebés. Pelo menos, as melhores que podemos e sabemos. E mais não nos pode ser exigido.

Mas, ainda assim, não deixa de ser um trabalho-dureza. Um que só conseguimos levar a cabo com um enorme sorriso porque somos movidas a amor. A um amor sem par.

domingo, 5 de fevereiro de 2012

Domingo com sabor a...

...casa quentinha, relaxamento, sestas de meio de manhã, filmes e séries, os dois homens da minha vida, descanso nos braços do maior, beijocas na bochecha do mais pequenino, bagels Mac Donald's, chá quentinho, muito aconchego.

Now following




A adicionar às do costume, as novas séries on the block.

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2012

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

Mas depois...

... ele dá-me um sorriso de língua de fora, uma gargalhada mal amanhada e agarra na minha mão, e eu derreto-me numa poça de amor.

Ora aí está a explicação