segunda-feira, 29 de julho de 2013

Adorei este texto, sugerido pela J. - muito along the lines dos meus próprios sentimentos em relação ao aleitamento:

Yup, that’s what I did. Well, technically 14 months and three days if you’re really counting. And yup, this really is a post about breastfeeding, so feel free to skip it (you know, if you’re my brother for example). I never thought I’d be writing about it. But I actually get a lot of questions on the subject. And since I blather on about other random things (like cloth diapering) and this blog is really just a way for us to remember things that we might otherwise forget (like paint colors and vacation happenings), I figure that something I did for so long (around 425 days straight) deserved a post about the range of emotions that it elicited. So here we go.

My first emotion: grateful. I was just so thankful it worked. I was acutely aware that some moms try extremely hard but it’s just not possible. I was also pleasantly surprised that it wasn’t as painful as I expected. I’d heard a lot about cracked and bleeding nipples (yes I just typed that) but thanks to genetics or a good latch (or some other random happening) I didn’t really have much pain at all (in the interest of TMI, I also never had sore boobs while prego, so maybe those things go hand in hand?). And I know the whole lack of pain thing might make you want to punch me (it annoys the heck out of my BFF) but I had a pretty frightening birth experience so I guess it’s always something (and not always the same thing) that throws you for a loop as a new mom.
Speaking of the whole birth thing, I was initially really stressed about Clara “taking” to breastfeeding because, due to our complications, I couldn’t nurse her until eight whole hours after she came into this world. I heard trying as soon as possible was the way to go, and I guess the whole scary birth experience had me fearing the worst (there was no baby-on-my-chest-to-snuggle-and-nurse-right-away occurrance, which is definitely what I pictured). But the sweet nurses pretty much just said to give it a try and it was miraculous. Clara got it right away. Such a relief.
As far as emotions go, after “grateful” and “pleasantly surprised” I moved into “exhausted and overwhelmed” territory. Clara was blissfully sleeping for 12 hours each night pretty much from the beginning, waking up for just one or two feedings most of the time (after we got the ok from the doc to let her sleep instead of waking her up to feed every 3 hours since she was steadily gaining weight).

But that meant that during the day she was feeding every two hours like clockwork (I fed her on demand, and at almost exact two hour intervals she screamed and wasn’t happy til she was nursing). So I really couldn’t get much done without having to stop and feed her. Which I actually loved for the bonding and the sweetness and the self-imposed break that it gave me from housework, blogging, and all that other stuff – but it was definitely exhausting and sort of all-encompassing in those bleary I-have-a-newborn months. I always joke that she let me rest at night, but during the day she made me work for it.
And when we went on a week-long family vacation when Clara was just six weeks old I remember sitting upstairs alone with Clara feeding her in a bedroom while everyone else was downstairs having fun together and thinking “I’m going to have to excuse myself and do this about eight times a day while everyone else hangs out – which adds up to 56 feedings that I’ll be doing over the next seven days.” That’s an overwhelming thought. At least it was to me. It was times like this that I actually wished feeding in public (or at least in front of your extended family) was more widely accepted. I tried to use a nursing cover but Clara wouldn’t have it. So up in my room I sat (with occasional visits from John who sweetly recognized that I’d rather be with the group and dropped in to keep us company). Back in these days feedings were pretty slow going (around 15-20 minutes per side for a total of 30-40 minutes spent sequestered). But we still managed to fit in some fun in the sun (or shade since she was so tiny).

I should mention that 1) pumping didn’t agree with me and 2) Clara never took to bottles (or pacifiers for that matter). You win some and you lose some. So every time she fed for the past 14 months it was directly from the source. Which was ok with me since pumping just didn’t work out and thankfully I have a job that allows me to be home with her. But it’s definitely sort of crazy as a concept because for over a year I was never away from my daughter for more than an hour or two. Ever.
But with a face like this, I was ok with that:

Around three months in I really got into the groove though. That’s where I’d characterize my feelings as “content and accepting.” I was happy to still be able to breastfeed and glad that it seemed to suit Clara. She seemed to enjoy it and I knew how to do it effectively and easily enough (in a parked car? check. in a dressing room? check). I even managed to sneak in a taping for the Nate Berkus show, nursing Clara in the green room right before we went on and right after (thankfully it was only a two hour process – or we might have heard her screaming for another feeding from on stage).

I guess I had adapted more to it, and it didn’t feel like as big of a job after I got into the swing of things. And by about 6-8 months old Clara had become a lot more efficient, so feedings were only about 15 minutes total (and sometimes even ten). Interestingly enough, the introduction of solid food at six months old (which Clara loved from day one) didn’t have any bearing on her nursing. She still wanted just as much, just as often. And I was secretly kind of relieved because I worried a bit about my production slowing or even stopping if she suddenly dropped a ton of feedings. But that was not the case.
Up until Clara turned ten months old I was still feeding her every two hours during the day at her insistence (screaming until I nursed her = her insistence). That’s right, for ten months (that’s 300 days) I nursed Clara every two hours (except during the night). I was ok with it, and my doc was ok with it, but I heard from friends that only going two hours between feedings at that age was reallllly often (as in all of my friends were only feeding every 4-5 hours or so at that age). My doc explained that it made sense since Clara was such an unusually solid night sleeper (she segued from waking up for 1-2 feedings in her 12 hour span of night sleep to not waking up at all around 2.5 months in – I know, we’re insanely blessed to have gotten such uninterrupted sleep for such a long block of time). But it did mean not-as-long daytime naps and a whole lot of frequent feedings to “tank up” during her waking hours in exchange for such an awesome night’s sleep. Heck, I’ll take it.
Blissfully, after turning ten months old Clara started stretching her feedings to every three hours, which felt amazing. It’s funny how an extra hour feels like all the freedom in the world. It’s all relative I guess. At this point I was coming into the whole “I love breastfeeding” phenomenon. I still felt grateful to be able to do it, Clara was a thriving happy girl, it was saving us money, it gave me a moment to step away from the computer/paint brush/hammer and connect with the bean, and it helped me get back into my old clothes (even though I don’t think I’ll ever have my pre-baby body again, it’s fine with me because Clara’s so worth it). I should add that I’m a breastfeeding enthusiast when it comes to me and Clara, but I don’t judge anyone else when it comes to what they choose for their family. Whatever works for you & your ducklings = my mantra as a parent in general.

The next speed bump that we encountered was when Clara turned a year old we introduced organic whole milk. The problem? Clara wouldn’t drink it. She still wouldn’t really take a bottle so our doc recommended trying a sippy cup. It worked for water, but she refused to drink milk (and we tried about ten million different sippy cup varieties, tried slightly heating the milk, tried watering it down or mixing it with breast milk, etc). This is when I started fearing that she’d be 21 years old and still addicted to breastfeeding.

Next we tried almond milk at our doc’s advice, and she went for it (we think the thinner consistency seemed closer to breast milk so she was down). And slowly we mixed almond milk with whole organic milk and she made the transition to 100% whole organic milk at around 13 months. Yup, it took nearly a whole month to get her on board with it. She’s stubborn like her momma. Haha. Shockingly, that’s when her feedings dropped waaay down. From around five times a day to just two – once before bed and once in the morning. Which made me feel excited and free but sort of oddly sad at the same time. “My baby’s growing up, and she needs me less” was sort of how I felt. I know that’s not really true, but it’s the best way I can describe the feeling.
By 13 months and three weeks she just wanted a feeding in the morning when she woke up. Clara has always been the boss of this whole breastfeeding thing (since we opted to just do the “on demand” thing from day one), so who am I to argue with the girl? Just one morning feeding opened up a whole new world of evening fun for me and John thanks to his parents offering to babysit (we could see a movie or go out to dinner without Clara after over a year of not partaking in those activities – amazing!). Of course I thought about her the whole time we were out, but I guess that’s to be expected (picture me saying “I wonder what Clara’s doing right now” every ten minutes during our first movie together in over a year).

Two weeks later Clara wasn’t even interested in her morning feeding. Which was sad because that’s the one where we lie down next to each other and relax together. I know I sound crazy, but it was such a sweet way to start the day. To anyone who has yet to try it, nursing on your side while laying down = awesometown (they taught me that move at the hospital thanks to the whole c-section thing). And now it’s over. So my current feelings are sad (because I’ll miss it) but proud (because I can’t believe I breastfed for over 14 months) and grateful (because I know being able to nurse that long or even at all definitely isn’t a given).
So that’s my breastfeeding journey. Off to cry now (and I can’t even blame breastfeeding hormones for the tears). I know, I know, someone with a nickname that won’t stick like $herdog shouldn’t be such a wuss. But it was an awesome/exhausting/amazing/tiring/surprising journey that I’m grateful to have experienced. Love you baby girl. Even if you’re over me my boobs.




Escreve 500 vezes no quadro, à Bart Simpson

Não mais comentarás assuntos que não valem a pena.


Quem me leia saberá que o aleitamento materno é um assunto que me é caro e próximo. Não só porque sou apologista do aleitamento conforme as indicações actuais da OMS - quer estas sejam universais e, portanto, tenham sido pensadas para abranger os países do terceiro mundo (com todas as suas dificuldades e consequentes problemas nutricionais infantis), ou quer elas tenham sido universalmente pensadas porque fazem sentido para todas as crianças do planeta.

Isto de se ser apologista seja do que for significa apenas que, para nós, essa coisa faz sentido; e que, por esse motivo, decidimos aplicá-la na nossa vida. Nunca na vida me verão tentar evangelizar o mundo e as outras mães. Eu faço o que faço; as outras façam o que quiserem. Não tentarei argumentar com certos e errados, e muito menos julgar e sentenciar as outras pessoas pelas escolhas que fazem e que não prejudicam ninguém, especialmente os alvos dessas escolhas: os filhos.

No entanto, ainda me choca quando leio textos como o que a Pipoca Mais Doce escreveu no seu blog de maternidade - sim, eu agora interesso-me por, gosto de e leio vários blogs de mães; temos uma identidade comum que eu também gosto de explorar blogosfera fora - explicando o seu percurso na amamentação do seu pequenino recém-nascido, e me deparo com a quantidade e a qualidade dos comentários que as pessoas lhe deixam, e deixam umas às outras.

Um parêntesis apenas para dizer que comentei, e aqui é a parte que me merece penitência. Não por ter comentado o post em si - pouco ou nada será relevante para a autora do blog o que eu penso; ainda que eu pense que ela fez uma opção inteligente, dadas as circunstâncias em que se encontrava, o que ela faz ou não é lá com ela. Ainda por cima num assunto que mexe com contornos tão melindrosos, ainda que esteja chapado num blog para toda a gente ler, não me julgo no direito de achar que se eu acho x, toda a gente deve fazer x, portanto vou dizê-lo para que toda a gente veja a luz.

O que me merece penitência foi comentar outros comentários, só porque me mexeram com os nervos. Tenho de enfiar na cabeça de uma vez por todas que a acefalia alheia não é contagiosa, por isso não devo somatizar esses sintomas. E não, não agredi ninguém nem coisa que se pareça, mas o simples facto de se tentar defender um ponto de vista perante... bem, portas e paredes... dá trabalho e não dá frutos.

De todo o modo, mexe-me com os nervos ver as pessoas atacarem-se por nada. Nada. O que os outros fazem com a vida deles deve representar zero na nossa vida. A menos que nos exija socorro, ajuda. De resto, esfera privada.
Estar a ler pessoas atacarem outras por não darem de mamar, por serem egoistas ao não darem o elixir da vida às suas crias - talibã; pessoas a atacarem outras, chamando-as vazias, cabeças ocas, animais, menos que animais, taradas, por fazerem aleitamento prolongado - talibã; ler pessoas a dizer que os médicos não sabem nada, enquanto dão brutais pontapés na "gramática" da saúde, tudo no mesmo parágrafo - talibã; ler pessoas a defenderem cegamente profissionais de saúde (certamente exemplares na sua formação e na sua especialidade) que lhes disseram que o leite era fraco, pouco (sem avaliar o contexto), insuficiente - talibã. E eu não devia ser fraca ao ponto de entrar nas discussões, embora com a ponderação de discurso que normalmente tenho na defesa das minhas opiniões.

Quanto ao aleitamento materno, a única coisa que me aborrece monumentalmente é que, hoje em dia, profissionais que sejam pediatras, neonatologistas, médicos ou enfermeiros de família, e enfermeiros de pediatria ou neo, não sejam obrigados a fazer a formação específica em amamentação, ou cursos de conselheiro de aleitamento materno. Para ficarem com toda a informação mais actual e saberem o suficiente, dando o necessário acompanhamento às mães que declarem a sua vontade de amamentar e conseguindo o sucesso na amamentação sem necessidade de suplementar, ou relactando totalmente em caso de tal ser necessário casuisticamente. Não dizendo a uma mãe que o seu leite é fraco (se as mães dos países terceiro-mundistas alimentam os filhos a leite materno, que dizer dos leites das nossas mães, que usufruem de todas as vantagens de uma boa dieta?), é pouco (se a produção tiver decaído, há uma enorme percentagem de probabilidade de se voltar a aumentar) ou insuficiente (pode ser necessário suplementar, mas com o devido acompanhamento, o suplemento pode e deve ser abandonado). Observando as causas do pouco aumento ou perda de peso do bebé - e que normalmente se prendem com o próprio bebé, que não tem reflexo de sucção adquirido, que não faz uma pega eficiente, que se cansa, que é preguiçoso e adormece, o que faz com que o pouco que o bebé mama (e que o mantém com fome e pouco peso) determine que o corpo entenda que tem de produzir apenas para aquela demanda, baixando a produção. Que saibam corrigir o bebé e ensiná-lo a mamar. Que reforcem a confiança às mães nas suas capacidades físicas e não as deixem frustradas com algo que elas, à partida, quereriam fazer. Obviamente que estou a falar genericamente, sem pensar em casos específicos como os RCIU ou prematuros, que devem ser avaliados em caso particular.

Porque depois é daqui que surgem muitos problemas. É certo que existe muita mãe que se acha melhor que a vizinha porque deu de mamar, e mamar era a coisa certa a fazer, e até se sofreu bastante para dar de mamar e isso é que prova o quão eu sou boa mãe. Insegurança pura e necessidade de auto-afirmação para hetero-validação. Mas também existe, e grassa por aí, o reverso da medalha: a passivo-agressividade de quem não o fez, e ao ver outras mães vangloriarem-se dos seus feitos (ou simplesmente falarem do assunto, sem gabarolices, já não se faz distinção) automaticamente partirem para uma defesa feroz: "eu não sou pior mãe porque dei biberão", "eu não tinha leite, querem lá ver que tenho culpa?", "lá vêm as fundamentalistas, suas taradas, suas animais"... Sentem-e atacadas quando muitas vezes não o são, refugiam-se em justificações fisiológicas (muitas vezes, sem real fundamento, ou alicerçadas em factores transformáveis) para não serem crucificadas por uma opção tomada. Enfim, é uma batalha a céu aberto. E não tem por que ser. Na verdade, sou crente em que só nos vergam as pressões que permitimos que exerçam sobre nós. Se as ignorarmos, elas não existem.

Antes de engravidar, e durante a minha gravidez, eu não me via a dar de mamar a um puto com dentes. Fazia-me impressão, pá, pensar naqueles dentes, que me lembram crianças e não bebés, que me lembram mordidelas em sítios dolorosos, não queria e não me via. O que é certo é que o meu filho teve dentes aos 5 meses. E mamou. Mordeu, levou raspanete e não mordeu mais. E mamou até ter toda a dentição que se pode esperar de um puto com ano e meio de vida. Eu mudei de opinião. Li, estudei (dentro das minhas limitações), avaliei, fui lendo os sinais que o miúdo dava. Isto é normal com a maternidade. Nós mudamos, muitas coisas mudam. Não quer dizer que nos traiamos.
Ele deixou de mamar porque quis, com 19 meses. Eu só teria continuado a oferecer até aos 2 anos, não foi preciso. Fiquei um pouco desconcertada (será que ele vai agora querer-me menos?), mas por outro lado, bastante contente por poder voltar a beber vinho, sangria, fininhos e licor Beirão.
Nunca foi menos ligado ao pai do que o que seria desejável e saudável por ter mamado, dia e noite. Tinha outras ligações ao pai: colo, muito colo, soninhos, banhos, sopas e papas, dependia dos dias e das vontades. Nunca foi dependente de mim por mamar, ainda hoje não é: é extrovertido, brincalhão, igualmente carinhoso comigo e com o pai, sempre ficou com várias pessoas, avós, tias, fosse de dia ou a passar a noite para os pais sairem nos seus pequenos oásis da everyday life. Tive de ouvir determinadas coisas que não gostei: "ele não engorda muito, será que o teu leite chega?", "ele já tem um ano, ainda tens leite?", "tens de o desmamar, ele já tem idade e tu tens de dormir". A opção foi minha. Posso queixar-me de não dormir? Estou no meu direito. Eu não dormia, não porque ele quisesse mamar; ele acordava porque sim. Deixou de acordar de repente, e eu não precisei de o forçar a nada. Deixou de mamar de repente, e eu não o forcei a nada. Cresceu.

Por isso é que não aceito os argumentos contra nem a favor, com fundamentalismos. As crianças, como nós, são todas diferentes. Não vão ficar tolhidas comportamentalmente pela amamentação, se no restante comportamento da mãe esse tolhimento não for potenciado. Não vão perder vinculação à mãe se beberem o seu leite pelo biberão. Umas vão desmamar aos 8 meses, outras aos 19, outras aos 36. No entanto, de uma coisa deve sempre depender a amamentação: da vontade da mãe. Sem a vontade da mãe, não deve acontecer. Porque às vezes vai custar, vão acontecer percalços, dores, doenças. Se doer, o bebé não está a mamar correctamente, e isso pode ser corrigido e terminado. Mas depende da mãe. É uma escolha, mas que deveria ser feita em plena consciência e informação.
Em última análise, como dizia a Dora, nas nossas mamas, mandamos nós. Ninguém tem direito a palpites.

quarta-feira, 17 de julho de 2013

Priorizar, organizar - com sucesso?

Inspirada por esta publicação da I., decidi dar uma volta à minha precária gestão de tempo e organização pessoal. Vai daí, adoptei três dos essenciais que são referidos neste post: o Pomodoro, a regra do 8-8-8 e a regra dos dois minutos.

Quanto ao Pomodoro, descarreguei de imeadiato a aplicação para o telemóvel e devo dizer que adorei. Realmente, é uma pequena grande ajuda para incentivar uma cabeça-no-ar como eu a manter-se na linha, a não falar para o lado, a controlar o tempo útil, a destralhar o meu tempo de trabalho. :) Estou definitivamente fã!

As outras duas regras estão a ser mais difíceis de implementar. A regra do 8-8-8 é mesmo um projecto que gostaria de transformar em prática corrente na minha vida. Com um pequeno traço de realidade em relação ao conceito da regra em si... A regra determina que, seguindo à risca esta divisão horária do dia em três tranches de 8h cada, deveremos ficar com 8h de sono, 8h de trabalho e 8h de lazer. Ora... A verdade é que começa logo a batota nas 8h de sono. Nunca, mas nunca, consigo dormir essas 8h. Esta noite, por exemplo. Quando me deitei, verifiquei que já faltavam apenas 7h para o despertador tocar. Nos entretantos, filho querido acorda às 3h da matina e ninguém mais dormiu naquela casa pelo menos até às 4h30. 8h de sono para o tecto. As 8h de trabalho ainda consigo cumprir - agora passo a chamar-lhes 16 Pomodoros. :) As 8h de lazer terão de incluir refeições, banhos, cozinhar, arrumar, fazer máquinas de roupa, estender, dobrar, ir à mercearia e ao talho... Mas vá, hoje em dia essas coisas para mim SÃO lazer, à falta de melhor!

Por fim, a regra dos dois minutos é, cheira-me, a que mais dificuldades me vai apresentar. Já há bastante tempo que tento priorizar, mas a verdade é que a minha linha de trabalho é cheia de "para ontens", todos eles aparecendo hoje e sem pré-aviso. Isso boicota largamente a criação e a implementação de um eficaz sistema de prioridades. A regra dos dois minutos é intimamente ligada à questão das prioridades. Até agora ainda não a apliquei... mas está na forja e sempre na minha cabeça!

segunda-feira, 15 de julho de 2013

Save the date

A Ana é a filha da Pólo Norte. A Pólo Norte tinha um blog e agora, por causa da Ana, tem dois. A Ana acrescentou, para além do número de blogs, muita coisa à vida da Pólo Norte. A Ana é um bocadinho de todos aqueles que acompanham a Pólo nestas lides e que gostam dela. A Ana é a filha da Pólo. E no seu primeiro aniversário, a Pólo quer ensinar-lhe o valor da solidariedade. Do amor pelo outro. Por isso, o seu primeiro aniversário será celebrado com uma festa de aniversário solidária. O lanche e a animação serão oferecidos (com a ajuda de todos os amigos que se quiserem juntar). Em troca a Ana pede que venham e se inscrevam como potenciais dadores de medula óssea. Onde? Na própria festa! É esta a prenda que a Ana quer receber dos seus convidados. Contamos convosco?

Dar sangue, oferecer a sua medula óssea para uma potencial doação no futuro, são actos de amor. Todos podemos ser seus beneficiários um dia, todos podemos precisar do amor de um desconhecido para salvar a nossa vida ou daqueles que nos são mais queridos. E o que este mundo precisa... é disto.

Amor. Solidariedade. Entreajuda. Agape.

Continuo do contra

... lembram-se deste post?

Continuo a ter um sentimento visceral de negação quando vejo toda a gente a falar de alguma coisa. Se é um vídeo que é viral, toda a gente partilha, toda a gente fala dele, não vejo. Se é uma música, seja alguma algaraviada da Coreia, seja alguma brasileirada da moda, não oiço. Mexe com o meu mau feitio, irrita-me aceder, por exemplo, ao Facebook e estar toda a gente a falar do mesmo, a partilhar as mesmas coisas, a ouvir as mesmas músicas. Eventualmente, uns meses (anos?) depois, posso vir a ler/ver/ouvir, que também não gostaria de morrer ignorante. Talvez.

Anyhoo, comecei hoje a ver a season 1 do Game of Thrones. Nunca pensei, mas fiquei agarrada.

domingo, 14 de julho de 2013

All hail real life

Sabes que nunca serás uma mommy blogger de catálogo, quando só te apetece torcer o pipo ao infante quando te acorda aos gritos histéricos, fresco como uma alface, antes das 6 e meia da manhã, num fim de semana, e no aftermath de um casamento que terminou às quinhentas. Raça do miúdo supera sempre as minhas piores expectativas.


sábado, 13 de julho de 2013

É, sou preguiçosa assim.

A melancia e o peixe estão, para mim, no mesmo patamar. Gosto muito de ambos, sei que fazem muito bem, mas a canseira que me dão a comer desmotiva-me de o fazer mais vezes.

sexta-feira, 12 de julho de 2013

Ainda em relação ao post que antecede...

... problem solved.

Agora tenho, não um, mas DOIS vestidos para o meu evento, viva os saldos. Já que me senti a Vivian Ward dos tempos modernos em versão plus size, apetecia-me voltar à loja com o meu saco na mão, acenar-lhe com ele debaixo do nariz e ter a lata de lhe dizer: "Hi, do you remember me? I was in here yesterday, you wouldn't wait on me. You work on commission, right? Big mistake. Big. Huge. I have to go shopping now."
Só para meter nojo.

*e sim, tive de ir buscar o vídeo ao YouTube para relembrar a fala :)

quinta-feira, 11 de julho de 2013

Como arrasar incontáveis horas de terapia num quarto de hora.

Fácil: sendo eu e indo comprar um vestido para um evento.

Loja 1. Vejo um vestido lindo, verifico que está exposto em L. Experimento, ah bolas, o folho não tapa a malha mais reveladora. Saio do provador. Olhar condescentente e comiserador da funcionária: "Pois, não serviu, não é?". Decido ir com a verdade: "Não, só marcava muito as minhas formas rubenescas".

Loja 2. Não temos nada acima de M.

Loja 3. Vejo vários vestidos que me agradam, lindos, lindos, e euromilhões!, em L ou acima de 42. "Posso ajudar?", "Sim, seria possível ver alguns vestidos...", "Lamento, peço mesmo imensa desculpa, mas não tenho cá nada para o seu tamanho". Glup. "Ah, mas este..." "Não lhe serve. Eu bem gostava, mas não tenho cá nada que lhe possa servir".  

E eu, fraquinha que sou, meti o rabinho entre as pernas e saí. Não me apeteceu ir a jogo e depois constatar que a bruxa mulher tinha razão. Só me doeu mesmo a cena à Pretty Woman, versão Biggest Loser.

E sim, eu tenho algum, bastante, peso a mais, mas posso garantir que não tenho a imagem corporal de uma Rebel Wilson, por exemplo. Nem eu própria, com todas as minhas avarias na centralina, acho que aparento o peso que (ainda*) tenho. Ou achava.

*ando cá com uns cuidados e entretanto até perdi 7 kgs em 2 mesinhos. Já só faltam 18, já não falta tudo.